sábado, 23 de agosto de 2014

Frozen - Uma aventura congelante (2013)

E nós finalmente chegamos ao último filme da nossa lista. Passamos por 52 filmes, cada um representando alguma coisa em nossas vidas. Rever todos esses filmes, apesar de trabalhoso até certo ponto, foi uma grande honra, e um grande prazer. Não só eu revi filmes que me ajudaram a ter inspiração para o que eu almejo e o que eu sou hoje, como também vi pela primeira vez, depois de tantos anos de mistério, aqueles que nunca tive chance de conhecer quando criança.
Bom, mas chega de melação, e vamos falar logo do último filme da lista que, atualmente, é o maior sucesso da Disney. 



Frozen me pegou de surpresa. Ao ver os advertisements do filme, eu imediatamente pensei que seria algo relacionado aquele boneco de neve bizarro, e que, assim como alguns filmes mais recentes, seria uma comédia de novo. 
Quando eu fui ao cinema, o que eu vi era a história de duas irmãs separadas por conta dos poderes de uma delas, em um retorno de verdade à fórmula dos contos de fada que a Disney abandonou há quase vinte anos. 

A esse ponto, acho que esse é um dos filmes mais famosos da Disney, tendo acertado na cultura pop em cheio, e trazendo de volta várias pessoas que haviam sumido no começo do século. Portanto, é até redundante falar do longa quando tanta gente já falou. Mas, eu posso tentar. 

A trama do filme conta a tragédia de Elza, a rainha de um reino distante que tem a inexplicada habilidade de criar e manipular gelo. Ela e sua irmã, Anna, eram muito próximas, até o dia em que Elza a atacou acidentalmente. Para que o mundo ficasse a salvo de seu poder, Elza foi isolada, e o castelo de seus pais foi trancado. 
O desastre começa no dia de sua coroação, quando Elza devia abrir os portões e permitir que as pessoas entrassem para comemorar o início do reinado dela.

Os personagens desse filme tem um desenvolvimento simplesmente impecável, sem brincadeira. Elza e Anna são dois extremos diferentes, com a rainha sendo bem fria e distante, enquanto que a jovem princesa é bem amigável com praticamente todo mundo. Essa diferença entre as duas é muito bem explorada, assim como é sua relação. Apesar de elas ficarem distantes uma da outra por boa parte do filme, dá pra notar a química que rola entre elas, e fica tudo bem real. É também interessante ver as duas contracenando e criando algumas das cenas mais divertidas do filme.
Vale ressaltar que essa é, de certa forma, a primeira vez que vemos princesas com tanta personalidade. Nesse aspecto, dá pra notar que muita coisa veio da Rapunzel de Enrolados; a grande diferença é que elas são realeza desde o início, e, comparadas com uma certa princesa (estou olhando para você, Aurora...), chamam atenção.

Kristoff também se destaca, e mostra que ele aprendeu muito com o Flynn Rider/Eugene de Enrolados. Apesar de não ser um ladrão, ele é bem bacana, legal até, especialmente quando contracena com Anna ou seu alce Sven. 
Os outros destaques vão, finalmente, para Olaf, o boneco de neve bizarro que falei antes, e o príncipe Hans. Olaf seria o alívio cômico do filme, e ele faz bem. É um personagem divertido, e ajuda a aliviar um pouco os momentos mais tensos do filme. Algumas cenas dele são um pouco estranhas, mas ele nunca é o real foco. 
Hans é um tipo interessante mediante aos príncipes da Disney, já que ele tem uma personalidade bem desenvolvida, e acaba ganhando muito foco, mesmo mediante aos outros cinco personagens principais.

Em termos de trama, Frozen é excelente, sendo sempre imprevisível, mas nunca absurdo ou fora de ordem. Não é o tipo da história que você prevê como vai acabar assim que começa. Mas, em termos de ritmo, ele dá alguns tropeços, e eu explicarei isso em um minuto.

A trilha sonora desse filme é simplesmente maravilhosa, sem "mas". Existem várias músicas cantadas, uma mais marcante que a outra. Os focos vão para a primeira música, "Do you want to build a snowman?", e, para aquela que, de todos os filmes que vimos na lista, tem a chance de ser a mais famosa e mais popular: "Let it Go". Cada uma delas é brilhante, e muito, mas muito, memorável. 

Aí, chegamos a onde eu falava... Em algumas cenas, que talvez pudessem ser lidadas com um diálogo regular, existe a adição desnecessária de música. Apesar de serem suaves aos ouvidos, e serem oportunidades para algumas reprises, fica muito estranho ver os personagens dialogando através de rimas e música. Acho que sou só eu, mas isso tira um pouco da seriedade do tema.

Ah, antes que eu esqueça. Esse talvez seja um dos filmes mais violentos da Disney desde os anos 90. Não há sangue, nem combate direto, mas algumas cenas deixam uma impressão muito forte. Isso, na verdade, é um elogio, porque ajuda na realidade do filme e cria cenas muito intensas, que são ótimas de assistir. 

Apesar de seu pequeno deslize de ritmo, Frozen é um filme excelente em todos os aspectos. As músicas são maravilhosas, os personagens são excelentes, existe uma atmosfera incrivelmente magnética (que é difícil de descrever, mas que realmente dá a ideia de inverno) e praticamente tudo está no seu devido lugar. Esse filme mostrou que a Disney, apesar de ter passado por um período de turbulência no passado, ainda está firme e forte. Ora, se Enrolados mostrou isso, é Frozen que garante. Se você ainda não assistiu, dê uma chance, e você não vai se arrepender. A cena em que Elza canta Let It Go é um destaque por si só, por exemplo, e é algo que você quer ver!


E, acabou! Esse foi o último filme de nossa lista. Vimos todos os 53 filmes já lançados pela Walt Disney Animation Studios! Se você acompanhou durante esses anos, espero que tenha gostado do que falamos aqui. Chegamos ao final da lista, cumprimos a meta e, se você tiver interesse, confira o veredito disso tudo na próxima!

Nenhum comentário:

Postar um comentário